Execuções de alimentos - defesa do executado

Tenho um caso em que há três ações execuções contra o meu cliente. Duas sob o rito de expropriação e uma sob o rito de prisão.

No rito de prisão foi apresentada justificativa, que uma vez indeferido foi expedido mandado de prisão. Contudo, nos últimos 4 meses o exequente penhorou mais de 43 mil na conta do meu cliente, levantando alvará. Além disso, recentemente foi realizada mais uma penhora no valor de 12 mil reais. Todas as constrições são originadas nos processo sob rito de penhora.

Entendo, que sendo a necessidade dos últimos 3 meses urgente, ao menos essa última penhora deve ser utilizada para pagamento do processo sob o rito de prisão.
Na situaão atual, todo o dinheiro que entra na conta é penhorado, e ainda assim, há alegação e mandado de prisão pelo não pagamento dos últimos tres meses!!! Um absurdo… O que acham?
Já enfrentaram essa situação?

2 curtidas

Seguindo pra esclarecer o caso, pedi ao menos a reunião dos dois processos de execução sob o rito de penhora que foi indeferido.

2 curtidas

acho que tem que pagar o que deve.

1 curtida

Não vai ter muito o que fazer nesse caso, mas um conselho é ir despachar com o juiz, converse e explique a situação.

3 curtidas

Já pagou. A obrigação é uma só ( alimentos fixados em sentença). As partes as mesmas em todos os processos. A fonte de renda uma só… Foi realizada constrição por meio de SISBAJUD no valor de R$ 42.000,00, então … entendo que já esteja pago. Obrigada pela comentário.

2 curtidas